20 May, 2009

PRINCÍPIOS DE EXCELÊNCIA PESSOAL E INSTITUCIONAL - por Geraldo Tadeu

A resposta para a derrocada institucional em nossos dias está condicionada a diversos fatores, dentre os quais, a destruição das famílias (célula máter da sociedade), má gestão de empresas (tendo o trabalho como a célula pater), Estados em guerra, o despreparo das escolas (aonde se tem muita formação – diz-se, colocar a forma –, mas pouca informação) e ainda a pobreza institucional das igrejas. Todos estes problemas estão relacionados a deficiências pessoais, como fruto da falta de sabedoria e entendimento advertidos pela Palavra de Deus.
Quando o indivíduo estiver curado, por conseqüência, as instituições também estarão. Tal é a importância dos fundamentos e princípios da Excelência Institucional e Pessoal, apregoados pelo Consultor Empresarial Geraldo Tadeu.
Assim, no plano Pessoal, devemos atentar para os cinco pontos da operacionalização da excelência, os quais devem coexistir em equilíbrio: Conhecimento, Entendimento, Sabedoria, Habilidade e Personalidade.
Conhecimento – é informação e a própria busca pela informação, aprender e ensinar; Entendimento, por sua vez, não é apenas a compreensão, mas o refletir conseqüências, sentimentos, pensamentos, palavras usadas, relacionamentos e saber gerir recursos; Sabedoria não é “saber”, é “levar princípios à prática”; A Habilidade está relacionada à repetição (capacidade, destreza) e, por fim, a Personalidade, como a base de tudo, é a união de caráter (o que somos quando ninguém está olhando) e temperamento (quando estamos sob pressão).
PRINCÍPIOS
  • Princípio da Visão – o indivíduo precisa definir o que quer TER, SER e SABER, o que quer FAZER, aonde quer ESTAR e com QUEM quer estar e estar.
  • Diante disso, o homem precisa estar disposto a aceitar mudanças quanto à maneira de pensar e agir, pela “renovação do entendimento”.
  • O fundamento do governo individual está no domínio próprio, a Bíblia relata em Tiago 3. Por conseqüência, quem domina a própria língua, pode governar a si mesmo e também uma instituição – esta é a base do governo institucional.
  • E, para governar uma instituição, temos o Princípio da Liderança pelo Serviço – segundo a Palavra de Deus, líder é servo do próximo (não apenas delega sua vontade, mas está preocupado com a qualidade de condições dos indivíduos).
  • Princípio da Responsabilidade – responsabilidade e melhor que obediência, é o comprometimento do indivíduo com a instituição, seus objetivos e resultados. Responsabilidade é a capacidade de cumprir prazos e promessas; aceitar compromissos e cumpri-los; a capacidade de delegar e liderar pelo exemplo; agir certo, do jeito certo e no momento certo; não procrastinar; rejeitar a inércia; é combater a má versação; é saber se ocupar com a coisa certa, na hora certa, entre outros.
  • Quanto à gerência de recursos, temos três corolários: senso de utilização (saber para que serve), ordenança (“ter lugar para cada coisa e colocar cada coisa em seu lugar”) e limpeza (manter limpo, “lugar limpo não é o que mais se limpa, mas o que menos se suja”).
  • Princípio da Reciprocidade – ação e reação – o que se planta é o que se colhe. Não podemos esperar colher o que não plantamos.
  • Princípio da Multiplicação – para colher bastante, devemos plantar bastante – é o “ser produtivo” descrito na parábola dos talentos.
  • Princípio da Grandeza – Cristo ensinou que o maior é o menor, sendo a humildade a verdadeira característica de pessoas grandes. Humildade é a capacidade de reconhecer meus erros e fraquezas e procurar transformação. Deve vencer o ciúmes e a inveja – ciúmes/arrogância, é aquele que tem a “mão cheia e não aceita esvaziá-la”; inveja/rejeição – tem mãos vazias e quer encher.
  • Princípio da Unidade – diferente do princípio da uniformidade, que existe a confluência de iguais, o princípio da unidade reflete uma unidade de propósitos, muito embora exista uma diversidade de dons – “somos diferentes, mas cada um é singular”, é o respeito às diferenças.
  • Princípio da Perseverança – é a necessidade de ser firme e constante nos empreendimentos, objetivando atingir a prosperidade.
  • Por fim, Prosperidade não significa abundância de recursos, mas ausência de necessidades e desejos realizados. Deve ser entendida na plenitude Espiritual, Emocional, Física, Econômica e Financeira e dos Relacionamentos.

Este texto teve por base o vídeo abaixo, gravado no estudio do blog http://www.ecoseantigos.blogspot.com/ - pelo qual, meu Amigo Geraldo, disserta de forma bem resumida o sistema operacional do Programa de Excelência Pessoal e Institucional.

  • video
  • 4 comments:

    Gabriela Liebert Marold :) said...

    Que legal...

    Curti a entrevista...
    Mostra que não precisa de muita parafernalha prá se propagar coisas boas.

    Sérgio said...

    Olá Caio Kaiel:

    Parabéns pelo belo trabalho que você fez, extraído da entrevista que o grande Geraldo Tadeu concedeu a este humilde bloguinho, de improviso, sem consultar qualquer material e de um só fôlego. Confesso que pretendia fazer exatamente isso, entretanto, minha acomodação falou mais alto. (rs)

    Também vou repercutir seu trabalho no meu bloguinho amanhã.

    Como bem diz o Geraldo, nós somos prósperos, pois o temos do nosso lado.

    Um grande abraço e felicito-o por ser amigo desse homem que é um verdadeiro exemplo para todos nós.

    Muito obrigado Caio Kaiel.

    Sérgio.

    Jú Prestes said...

    Nossa, Caio!!!

    Lembrei do meu "encontro" agora! Deu até uma pontinha de saudade.

    "precisamos aprender a governar uma instituição ñ através do senhorio mas através do serviço"

    bjo
    boa semana!

    Mariana said...

    As coisas boas sempre tem que ser recomendadas para todas as pessoas.
    Um consultor pessoal me falou que além de marketing, um tem que ter bons contatos e uma boa forma de chegar a gente.